.
Vegetarianismo e Estética

      Osho,

      Por que você não permite a alimentação não vegetariana em seu ashram? 

 

      A pergunta é de Swami Yoga Chinmaya. Na mente de Chinmaya deve haver alguma idéia de comer carne, deve haver alguma profunda e oculta violência.

      A pergunta foi feita por um vegetariano, e há milhares de não vegetarianos aqui. Isso parece muito absurdo, mas as coisas são assim: nem todo vegetariano é um verdadeiro vegetariano, mas apenas um reprimido. Surge o desejo...

      Mas o motivo de eu não permitir alimentação não vegetariana no ashram nada tem a ver com religião. Trata-se de pura estética.

      Não acho que, se você ingerir alimentação não vegetariana, não se iluminará. Jesus se iluminou, Maomé se iluminou, Ramakrishna se iluminou. Não houve problema. Você pode ingerir uma alimentação não vegetariana e pode se iluminar. Então, não há problema religioso em relação a isso.

      Para mim, o problema é estético. Porque Jesus continuou a comer carne, tenho a impressão de que ele não tem grande senso estético. Não que ele não seja religioso, ele é religioso, tão religioso quanto Buda, mas algo está faltando nele.

      Ramakrishna continuou a comer peixe… Simplesmente não estético... Isso parece um pouco feio. A iluminação não está em risco, mas sua poesia está, seu senso de beleza está, sua humanidade está, e não sua super-humanidade. É por isso que não é permitido em meu ashram, e não será permitido. Trata-se de uma questão de beleza.

      Se você entender isso, muitas coisas se esclarecerão para você. O álcool pode ser permitido neste ashram, mas não a carne. Pois o álcool é vegetariano, um suco de fruta! Fermentado, mas é um suco de fruta. E, às vezes, ficar um pouco embriagado aflora grande poesia. Isso é possível, e isso precisa ser permitido. Na nova comuna teremos um bar, “Omar Khayam”. Omar Khayam é um santo sufi, um dos sufis iluminados.

      Mas a carne não pode ser permitida. Isso é simplesmente feio. Só de pensar que você está matando um animal para comer... A própria ideia é não estética. Não sou contra isso porque o animal é assassinado, pois o que é essencial no animal viverá, não pode ser assassinado. E aquilo que não é essencial morrerá, você o matando ou não. Assim, isso é irrelevante, esse não é um ponto a ser considerado por mim.
.

      A questão não é que você matou um animal e que matar não é bom, não. A questão é que você matou o animal apenas para comer, enquanto uma saudável alimentação vegetariana está disponível... Se ela não estivesse disponível, esse seria um ponto a ser considerado, mas ela está disponível.

      Então, por quê? Então, por que destruir um corpo? E, se você puder matar um animal, por que não se tornar um canibal? O que há de errado em matar um ser humano? Pois a carne que vem de um corpo humano estaria mais em sintonia com você. Por que não começar a comer seres humanos? Essa também é uma questão estética.
.

      E animais são irmãos e irmãs, pois o ser humano veio deles. Eles são nossa família. Matar um ser humano é apenas matar um animal evoluído. Ou matar um animal é apenas matar alguém que ainda não evoluiu, mas que está a caminho. Dá no mesmo! Não faz muita diferença se você matar uma criança que está no primeiro grau ou se matar um jovem que está no último ano da universidade. Os animais estão se movendo em direção aos seres humanos, e os seres humanos já foram animais. Trata-se apenas de uma questão estética. Por que não matar sua esposa e comê-la? Ela é tão bela e tão doce!

      Um amigo chegou a um canibal e a comida foi preparada, e o amigo nunca provou algo assim. Ele nem mesmo sonhara que comida poderia ser tão saborosa, tão deliciosa. Quando ele estava partindo, disse ao canibal: “Adorei a comida. Nunca apreciei tanto uma comida! Quando eu voltar, prepare o mesmo prato.” E o canibal respondeu: “Será difícil, pois eu tinha só uma mãe!”

      Por que você não pode comer sua mãe? Por que você não pode comer seu marido ou seu filho? Tão delicioso! A questão não é religiosa, e novamente gostaria de lembrar a você: é uma questão de estética. Uma pessoa estética fará com que a vida permaneça bela, que não se torne feia ou horripilante. Mas a questão surgiu na mente de Chinmaya, e isso indica algo.

      Na Índia, os vegetarianos não são realmente vegetarianos. Isso é apenas porque eles cresceram em uma família vegetariana; assim, desde o princípio o vegetarianismo lhes foi imposto. E, naturalmente, eles estão curiosos e desejam provar também outras coisas. E, naturalmente, surge a idéia: todo o mundo é não vegetariano, e as pessoas devem estar desfrutando! O vegetariano sente que está perdendo muito, e por isso surgiu a questão. Ela nada tem a ver com meditação.

      Você pode comer carne e pode meditar, pode comer carne e pode amar, pois isso também nada tem a ver com o amor. Mas você mostrará algo sobre si, que você é muito grosseiro, muito primitivo, inculto, não civilizado, que não tem nenhum senso de como a vida deveria ser.

                            OSHO – The Diamond Sutra, discurso 6
                       Tradução: Sw. Anand Nisargan.

 

 Copyright © 2006 OSHO INTERNATIONAL FOUNDATION, Suiça.
Todos os direitos reservados  

 

 

Instituto Osho - Caixa Postal 450 - 36001-970 - Juiz de Fora (MG)
 Tel: (32) 3232-4635 - E-mail: oshoinstituto@uol.com.br